03 dezembro 2007

Crítica: Street Soccer

Quando era mais pequeno, estava eu então entre os meus 10 e os 15 anos, a minha grande paixão era sem sombra de dúvidas o Subbuteo. Passava horas, sozinho, no chão a jogar àquilo. Fazia grandes jogos, sempre com as melhores equipas da Europa, e quer acreditem quer não, os campeonatos que organizava e jogava sozinho, eram sempre ganhos pelo grande Benfica.
O Subbuteo é um jogo de futebol género futebol de carica, mas muito mais evoluído. Tem bonecos sobre uma base de plástico que escorregam sobre um pano verde e a coisa está tão bem feita que até podem chutar à baliza, passar a bola e até partir pernas (o que acontece mais vezes do que devia).
A partir dos 15 anos passei a ter vergonha de jogar Subbuteo sozinho. Poderia ser mal interpretado pela família e amigos. Por isso esqueci-me deste jogo mas, confesso, com muita pena minha.
O Subbuteo passou por várias alterações ao longo dos últimos 19 anos. Algumas boas, outras más, mas a pior de todas foi a que os miúdos já não jogam ao jogo. Se falar com algum rapaz de 10 anos certamente ele não sabe o que é o Subbuteo.
A Playstation e o PES acabaram definitivamente com esta pequena maravilha que viu as montras pela primeira vez em 1947. Seja como for durante cerca de 50 anos foi a melhor simulação de futebol do mundo e o gozo que dava passar horas a movimentar os jogadores com a perícia dum pianista era tanto, que me vou lembrar para sempre desses momentos.


Mas a vida não ficou definitivamente perdida para as simulações de futebol de mesa. Isto porque surgiu há cerca de 5 anos atrás um designer que achou que estava hora de agir. Falo de Corné van Moorsel, grande jogador de Subutteo, que tal como a mioria dos ex-jogadores atingiu a idade em que teve de desistir. É sempre um data difícil aquela em que se desiste oficialmente de jogar subbuteo. Não é exagero dizer que é como um jogador deixar o futebol. Dói, mas tem de ser.
Mas agora os dias tornaram-se menos cinzentos com Street Soccer. Pode-se jogar abertamente à frente de toda a gente que ninguém nos olha de lado. Street Soccer elimina a sensação de imaturidade dum jogador de subbuteo aos olhos dos outros e isso sabe bastante bem.
Street Soccer é um jogo muito simples. 5 jogadores para cada lado, uma bola e um dado. O objectivo é meter a bola na baliza. Uma partida joga-se em 10 minutos e dá um gozo do caraças, mesmo sabendo que há um dado envolvido e que ele determina o desenrolar da partida.


As regras são fáceis. Lança-se o dado e o jogador movimenta os jogadores, o número de casas que o dado determina. Se o jogador não gastar todos os movimentos e chegar à casa da bola, pode utilizar o excedente para rematar a redondinha, passar ou então afastar a mesma para o mais longe possível.
Exemplo: O Zorg está a perder comigo 5-0. Vamos imaginar que manda um dado e lhe sai 6 (numero mais usual num lançamento do Zorg). Ele movimenta o jogador dele 3 casas e chega até à bola. Isto quer dizer que agora pode movimentar a bola 3 casas. Pode chutar á baliza, passar para outro companheiro ou então colocá-la o mais longe possível para eu ter mais dificuldade em chegar lá quando lançar o dado. No entanto, uma regra tem de ser acrescentada. Sempre que um jogador toca na bola, soma um ponto ao valor que lhe resta. Ou seja, quanto mais jogadores tocarem na bola num movimento, mais ela avança.

E é isto. Pode parecer estúpido mas há mais sabedoria num jogador de street soccer que aquela que se manifesta numa primeira partida. A posição é tudo. O jogador tem de ter a consciência que se perder a estrutura da equipa leva uma cabazada como aquela que o Boavista levou do Benfica há umas semanas atrás.
Quando os jogadores são experientes, consegue-se ver que dão muito mais importância aos jogadores e não tanto à bola. Isso dá a sensação que somos mesmo treinadores e estamos a equilibrar a equipa no terreno.
A sorte é um elemento que tem peso, mas o grande desafio está em minimizá-lo duma forma a que não se sofra grandes consequências num golpe de azar. Às vezes dá, outras não, mas a bom da verdade, como já disse noutro lado, nos campeonatos e nos sites dedicados ao jogo, ganham sempre os mesmos. Isso deve querer muita coisa em favor de Street Soccer.
Seja como for conte com jogos memoráveis.

Pontos Positivos:
Jogo muito divertido e que dura 10 minutos e custa 17 Euros.
Tem uma curva de aprendizagem interessante.
Normalmente ganham sempre os mesmos .
É futebol.

Pontos Negativos:
Tem um dado que é o coração do jogo.
Por muita boa vontade que possam ter, nenhum dos jogadores vai gritar golo quando a bola bate nas redes.

9 comentários:

zorg disse...

Nunca joguei subutteo, esse entretenimento aburguesado para meninos queques ricos, mas joguei muitas vezes futebol de caricas!

Enchiamo-las com cera de velas, para terem peso, e depois colávamos a imagem do jogador lá dentro. Grandes tardes passei eu a fazer campeonatos de carica!

Surpreendentemente, ou talvez não, estou completamente viciado no StreetSoccer! Com regras tão simples, que até dá para meter cópias em 4 ou 5 línguas dentro da caixa, esse holandês demoníaco consegue um jogo interessantíssimo, em que às vezes até parece futebol a sério. O nosso jogo ontem foi exemplo disso: duas equipas mais ou menos equivalentes e que se receavam, só podia dar naquele jogo táctico e feio. Lembro-me de um jogo com o Francisco, em que eu estava a perder 4-1, empurrei-o para trás, consegui reduzir para 4-3 e depois passei o tempo que restava em cima dele, com a equipa toda no ataque, a tentar fazer o empate. Não consegui, mas foi uma derrota extremamente saborosa! :)

Este Corné Van Moorsel é um gajo a seguir com muita atenção. Ultimamente também temos jogado o Logístico (mais um jogo de pouca regra e muito jogo, embora numa escala de complexidade acima do StreetSoccer) e estou muito impressionado. Esse é um verdadeiro liquidificador de miolos, com muito pouca sorte e também muito interessante. Quase estou tentado a comprar o Gipsy Kings, que saiu agora em Essen.

soledade disse...

Eu também joguei Subbuteo e partilho essa nostalgia do pano verde. O meu sobrinho fez anos em Novembro e eu entrei no continente e comprei o jogo só para reviver as memórias. O problema é que o Subutteo tem muitas equipas desinteressantes. :P

Quanto ao Street Soccer se calhar é melhor que futebol de verdade. Porque pelo que percebi não tem árbitros pois não? E a sorte há-de ser idêntica!

Spirale disse...

Como já referi em comentário anterior, o StreetSoccer é um jogo extremamente conseguido porque é curto e saboroso.

Confesso que a primeira impressão não foi exactamente essa. Achei o jogo "divertidinho" mas o ênfase na sorte do dado pareceu-me excessivo. Isto, como vim a descobrir,
apenas porque não sabia jogar bem o jogo! Dando-lhe mais uma oportunidade ou duas, concentrando-me no posicionamento da equipa e evolução da mesma ao longo do jogo, fez com que este, de repente, desabrochasse!

É como refere o Hugo, a sorte está lá (como em muitos jogos de futebol), mas um bom jogador de StreetSoccer aprende a armar a equipa e a jogar com ela. Dá para resguardar a equipa tacticamente e defender quando é preciso, tal como fazer magnificas incursões no meio-campo do adversário e atacar sem dó nem piedade.

Quando se joga com dois jogadores equiparados e experientes, o jogo revela-se uma delícia - simples, eficaz, tenso e divertido. Um excelente "filler" que às vezes sofre do síndroma do "só mais um!" ou do "queres a desforra?", fazendo com que de "filler" passe a outra categoria qualquer - se um "filler" fosse uma "entrada" ou "aperitivo" numa refeição, este pode chegar a "primeiro prato". :-)

Este Corné van Moorsel começa a mostrar que não só sabe conceber jogos, como sabe fazê-lo muito acima da média. Do Corné, estou de olhos postos nos seguintes:
Factory Fun e Gipsy King - alguém já jogou algum destes?
O Logistico e o O Zoo le Mio já passaram de promessas a certezas (quero jogá-los mais vezes).

Quanto ao Subbuteo, nunca fui fã. Sempre fui mais adepto das caricas também. Das caricas evoluí para os Match Day I e II no Spectrum, o Kick-Off e o Sensible Soccer no Amiga, e finalmente os FIFA e Pro Evolution Soccer nas consolas. Agora não abdico do PES, mas ainda me sobra espaço, tempo e afecto para um StreetSoccer! :-)

Bruno Valério disse...

E vivó Subutteo, grandes dias que passava com os amigos... aquilo sim era futebol espectaculo.

Ao contrário do que o burguês Zorg insinua o Subutteo não tem nada de aburguesado... era futebol puto e duro.

Quanto a este Street Soccer... não me cheira :D

hmocc disse...

Eu, tal como o Zorg, sou da tribo da carica e do "matacão" (tampa de botija de gás, normalmente de plástico) que se usava na posição de guarda-redes - redes que mais não eram que o fundo de uma caixa de cereais nestum recortada para o efeito.

Também eu considero o Street Soccer um jogo sensacional e tive imensa pena que o meu cunhado, quando me veio visitar, não o tenha apreciado por causa do dado.

Anyway, o jogo é muito bom. Mas para quem é aficionado da simulação desportiva existe agora um novo entretém: Trata-se do AffenTennis (ou "Ténis com Macacos" numa tradução simplista para o Português) que aconselho vivamente. Quem esteve em Essen deve ter visto este jogo interessantíssimo que já vai na sua 3 edição.

Aqui deixo o link: http://www.boardgamegeek.com/game/26148

Cacá disse...

Tenho que dar uma opinião como amante do bom futebol (sendo brasileiro e Flamenguista isso fica fácil... hehehehe) e apreciador do Street Soccer (que só jogo pelo BSW, mas estou a fazer uma versão caseira para ele)...

Primeiro queria saber mais sobre o que vocês chamam de "futebol de caricas", o que seria?? Aqui no Brasil temos um viciante, mais até que o subutteo (que por aqui chamou-se Pelé Gol), chamado "Futebol de Botão", esse tem até uma entrada no BGG e vale a visita, acho que vocês vão gostar muito...

Agora falemos de Street Soccer. O jogo realmente é muito gostosinho, leva-se para qlq canto e ensina-se muito rápido, mas isso não quer dizer que quem aprende vai fazer boas partidas logo de primeira. Mas com jogadores com a mesma quantidade de partidas, temos jogos muito bons, mesmo com a dependência do dado.

Dei minha opinião... abraços... =)

zorg disse...

Eu acho que quando se ensina o StreetSoccer deve obrigar-se o outro jogador a fazer 2 ou 3 jogos de enfiada. Pode-se usar um ardil do género "jogamos até me conseguires ganhar". E isto porque o jogo, por estúpido que pareça, tem o defeito de parecer demasiado simples. Nestes tempos de snobismo gamer, em que tudo o que tenha um livro de regras menor que a bíblia sagrada e uma duração de jogo inferior a 10 horas é despachado com o rótulo "filler estúpido", aquilo que deveria ser uma qualidade (regras simples, pouco tempo de jogo, mas jogabilidade interessante e que vai melhorando com a progressão na curva de aprendizagem), acaba por prejudicar o jogo.

E o jogo não é nada simples: quanto mais se joga, mais se aprende a jogar! Os meus primeiros jogos acabavam com 8 e 9 golos marcados no total e agora raramente atingem os 4.

Carlos Abrunhosa disse...

Curioso que aprendi a jogar StreetSoccer no BSW com a ajuda de um tutor alemão! Fiquei de tal forma viciado que agora não jogo outra coisa com vou ao BSW!

Parabéns pelo artigo!

Anónimo disse...

Os jogos de Computador não terminaram com o Subbuteo. Ele resiste. Ver http://apssubbuteo.no.sapo.pt, http://livreindirecto2.blogs.sapo.pt e http://www.fistf.com e verão que nunca os jogos de computador conseguirão substituir-se ao Futebol de Mesa/Subbuteo. Subbuteo 4Ever