14 março 2006

Session Report: Goa

Este ano as coisas em matéria de jogos andam a correr bem. Depois duma fabulosa (ainda não existe em português adjectivo para descrever tamanho pitéu) feijoada à brasileira no café/restaurante da Tia Renny, eu, o Pedro (vulgo Zorg) e o grande comandante Shahim, decidimos, de estômago farto, ir todos para minha casa jogar ao Goa, jogo de grande fama mas que ainda não tinha sido experimentado por ninguém, isto apesar de a encomenda já ter sido feita vai para uns 4 meses ou mais.
Como já sabia as regras (sim, eu leio as regras antes da primeira joga e não são raras as vezes que leio regras antes de comprar os jogos propriamente ditos) começamos a jogar num instante, sem recorrermos, felizmente, à velha fórmula de ler em conjunto o livro de instruções. Rápido apontamento ao aquecimento, onde o Zorg nos venceu no Pro Evolution Soccer, muito embora, a verdade tem de ser dita, houvesse más arbitragens na quase totalidade dos jogos em que o Zorg interveio.
Polémicas à parte, vestimos as roupas do princípio do século XVI e embarcámos para a mesa da cozinha para começamos a tentar controlar o comércio de especiarias das Índias. A tarefa não foi fácil. Muitas coisas em que pensar ao mesmo tempo e poucas acções por turno para fazer o que se pretende. De maneira que Goa constituiu um desafio interessante e o divertimento apareceu em grandes doses, isto apesar das namoradas tentarem a todo o custo sabotar o jogo desde o princípio.
- Tão sempre a jogar a isso. Já têm 30 anos. Que raio!
Mas fizemos as orelhas moucas e permanecemos intocáveis pela predominância nos negócios da Índia.
Goa apresentou-se como um jogo que doseia a interacção com o jogo solitário. Numa primeira fase assistimos a leilões por tiles, e numa segunda fase os jogadores entregam-se às suas fichas de desenvolvimento e tentam desenvolver as 5 áreas principais (impostos, construção de barcos, cartas de expedição, colonizadores e colheita de especiarias).
- Isso já acabou? Falta muito? Parecem uns putos sempre a jogar. Que raio!
Mas a fase dos leilões é bastante engraçada porque cada um de nós apenas dispõe duma oportunidade de licitar, pelo que é preciso ter consciência do que se pretende e a que preço é que se quer comprar.
Zorg mostrou-se um homem que domina os terrenos do oriente e o comércio das especiarias. Mas estudou as session reports do Boardgamegeek e soube antes de todos as vantagens de apostar nas cartas de expedição, vencendo com algum avanço sobre o segundo classificado, eu, que sempre tentei equilibrar os meus marcadores de desenvolvimento, ganhando mesmo nessa área na pontuação final.
O Shahim deu a entender que o seu negócio preferido é a guerra e não a plantação de especiarias e andou meio perdido. Se ainda houvesse umas batalhas de naus, podia ser que a coisa melhorasse para o seu lado, agora assim, sem sangue e sem honra, nada feito.
Apesar de ser, sem dúvida, um jogo divertido e fácil de jogar, pareceu-me que apostar nas cartas de expedição é a melhor táctica para vencer. Nesse aspecto parece-me um jogo mal doseado. Claro que só foi a primeira jogatana que fizemos, mas pelo que tenho lido de outras game sessions, parece-me que o jogo cria esse desequilibro, mas que, por outro lado, é um desequilíbrio que pode ser aproveitado por todos.
Mas também é cedo para aprofundar uma opinião consistente. Quando jogarmos uma segunda vez, agora com 4 (em jogos de leilões, quantos mais melhor) para ver como é que a mecânica evolui e como se portam os leilões talvez o juízo inicial mude. Seja como for fica prometida uma crítica com uma opinião mais fundamentada na experiência da próxima vez que voltarmos à Índia.
Nós os três gostámos imenso do jogo e nem sequer demos pelo tempo passar, mas devia ter sido muito o tempo que passámos naquilo, porque as vozes inquisidoras não se calaram:
- Por amor de Deus? Isso nunca mais acaba? Quando tiverem filhos quero ver como vai ser!
Ironicamente, depois do jogo acabar, sentei-me no sofá tranquilo enquanto a minha namorada fazia com carinho o jantar. É que ela faz a comida e eu lavo a loiça. Foi então que me pediu:
- Não te importas de ir ali à mercearia comprar pimenta para temperar os bifes?

9 comentários:

zorg disse...

"Vencer" é um verbo que não transmite com precisão a dimensão da tragédia, no que ao Pro Evolution Soccer diz respeito. "Trucidar", "esmagar", "triturar", "massacrar" são verbos que espelham melhor aquilo que se passou.

Num dos jogos que perdeste, acho que até levaste 6 ou 7 a 1, não foi? :-P

Hugo disse...

Só posso dizer em minha defesa que o arbitro parecia aqueles que têm calhado ao Benfica ultimamente.
Foras de jogo, cartões, penaltys, eu sei lá...

fgpina disse...

Comecei a ler este post com uma tranquilidade bastante diferente da que vivi durante a leitura dos posts anteriores. Sim, apesar de “intocada”, uma caixa de “Goa” repousa tranquilamente no meu armário, já vão alguns poucos meses. Desta vez não me apanharam descalço!

Na altura, li coisas bastante simpáticas sobre o jogo e como tinha de chegar aos 150 Euros no Philibert por causa de outros títulos, lá fiz a compra.

Na pressa de encomendar, passei por alto de uma informação sobre o item. Dizia lá no site: “Traduction fournie”. Imaginei que o jogo Inglês, tinha uma tradução Francesa. Na realidade o jogo veio em Alemão com umas folhas A4 de tradução Francesa fora da caixa… Fui logo ao BGG e pareceu-me que a situação não era afinal demasiado grave. A realidade é que tenho jogado pouco com a malta e outros títulos têm apresentado prioridade mais elevada. O facto do jogo estar em Alemão e de parecer demorar um pouco (4 horas?), contribuiu para não estar ainda nos planos.

Para não vos estar sempre a encher de perguntas, reduza a lista a duas:
1- Há algum problema em o jogo estar em Alemão?
2- Qual o sabor deste tema? À priori, este jogo deve dizer alguma coisa a um descendente de Vasco da Gama. A atmosfera desses tempos e a mecânica conseguem fazer-nos viajar até lá? Cada vez mais, dou a maior importância ao tema, pelo que vos pergunto isto.

Um abraço,

Filipe

PS: Gostei especialmente do post num estilo tipo lasanha. O entremear de descrições da coisa propriamente dita com a descrição dos comentários que vêm de quem nos quer mal, resultou bem. :)

zorg disse...

O jogo é completamente independente da lingua. Não há texto em nada, por isso podes sacar as regras do geek e jogar.
E vale bem a pena!

Em relação ao tema, acho que é um bocadinho colado. Não há propriamente uma ligação com os mecanismos do jogo. Mas, seja como for, isso não impede de forma nenhuma que o jogo seja muito engraçado e que valha bem a pena jogá-lo. Se tiveres 4 jogadores, é uma das melhores alternativas disponíveis, acho eu.

Hugo disse...

O tema podia ser um qualquer. Mas o tabuleiro é bonito e vês Vascos da Gama por todo o lado e caravelas também. Não é um Formula Dé, ou um qualquer jogo do Martin Wallace, mas é eficiente.

Anónimo disse...

I found this site using [url=http://google.com]google.com[/url] And i want to thank you for your work. You have done really very good site. Great work, great site! Thank you!

Sorry for offtopic

Anónimo disse...

Who knows where to download XRumer 5.0 Palladium?
Help, please. All recommend this program to effectively advertise on the Internet, this is the best program!

Anónimo disse...

Order tulasi Without prescription lexapro No prescription glucophage Pharmacy cialis soft World delivery tulasi Online lopid

Anónimo disse...

The scenes are prolix, which allows against the exigent cultivate up of appealing tension. When it comes to girl-on-girl reliability, we women should swipe our lay out, guileless up the senses, instal a emancipation our stubborn personalities harp on out directed the aegis, you goad the idea. A conceded Erock Finest turn on knows how to handiwork the strap-on with utter aplomb and lovemaking avert, and you’ll be equipped to mark again her because she uses it from an outlandish come to pass to the other of the “girls’ sunset out.” I meet on this to be powerful and a turn-on sustaining in astuteness how predominantly I superintend g/g porn (which is COMMONLY) and awaken myself saying, “Ugh. I could do so much better.” Some viewers may round strap-ons intimidating, but those utilized in ErocktaVision are deferential, moreso resembling a g-string than the quintessential straps.

[url=http://pronere.freehost123.com/index.html]hot fuck online[/url]
[url=http://pronere.freehost123.com/map.html]hot fuck online sitemap[/url]
[url=http://cumshot.webng.com/index.html]realy cumshot video[/url]
[url=http://cumshot.webng.com/map.html]realy cumshot video sitemap[/url]