26 setembro 2006

As últimas estreias

Ultimamente temos vindo a conseguir aumentar o ritmo de jogo. Graças a uma política de recrutamento de novos jogadores muito mais agressiva ("raptei a tua mãe e tenho-a escondida num sitio seguro, coberta de explosivos cujo detonador será activado daqui a 3 horas - o tempo exacto para jogar um Thurn und Taxis e um Age of Steam - a não ser que eu o descative"), tem sido possível engrossar as fileiras da falange jogodetabuleirista e, consequentemente, jogar mais vezes!

Jovens talentos como Pedro "O Balão inchado" Pato, Luís "Levo na tromba e gosto" Obelix, ou Marisa "Dou na tromba e gosto" Obelix, têm-se juntado à elite dos velhos tubarões. E, se é verdade que ainda não atingimos o ritmo desejado de mais do que uma sessão de jogo por semana, também não é menos verdade que já não andamos longe!

Outro fenómeno curioso é o processo de selecção natural que tem tido lugar: os consagrados que nunca jogam - leia-se, o Hugo - começam a ser substituídos por estes jovens impetuosos, que compensam a falta de experiência com o sangue na guelra e a vontade inquebrantável. Longe vão os tempos em que um telefonema do Hugo a 5 minutos do início do jogo era motivo de alarme, pois, muito provavelmente, significava que ele já não compareceria, devido a um motivo mais ou menos surreal ("Tenho de ir limpar o pó da estante da sala e tem de ser imperetrívelmente hoje! Sabe-se lá se ainda lá está amanhã." ; "Tenho de garantir que não há uma colónia de baratas gigantes e hispânicas, a viver dentro dentro do cano do lava-loiça! Ontem pareceu-me ouvir castanholas, enquanto lavava a panela de pressão.", "Não posso perder o o telejornal! Sabe-se lá quando é que dão outra vez."), deixando-nos sem quorum suficiente para jogar o que estava planeado. Hoje em dia o Hugo é convidado por razões estritamente históricas e substituído sem dificuldade e até motivo de chacota geral, quando oficializa a sua recusa.

Assim sendo, temos estreado alguns jogos novos que, dado o sucesso que tiveram aliado ao resultado final completamente aberrante e antinatural, no caso do Himalaya, exigem uma segunda sessão urgentemente!

Himalaya

Jogámos Himalaya a 3 e a Marisa trucidou-nos! Sem apelo nem agravo! Venceu nas 3 componentes da pontuação, com facilidade e descaramento. Ainda teve tempo de nos cuspir na sopa, fazer pouco das nossas famílias e urinar-nos nos pés. Não perde pela demora! Quanto ao jogo, deixou uma excelente impressão. Vale muito mais do que a descrição dá a entender e fiquei com a ideia que com 4 jogadores ainda é melhor, porque o sistema de pontuação muda! É daqueles jogos que consegue aliar diversão pura a desafio intelectual. Também deve poder ser usado como gateway game, apesar de ter muito mais substância do que, por exemplo, o Ticket to Ride. Também não demora muito tempo e, por isso, dá para encaixar uma sessão rápida durante um dia de semana.

Elasund

Jogámos Elasund a 2 e a Marisa não nos trucidou! Também não jogou, mas seja como for já foi um progresso em relação ao Himalaya. O jogo é muito giro e em comum com o Catan só tem o sistema de lançar dados para decidir quem recebe que recursos. De resto é um jogo bastante mais confrontacional, mais flexível em termos estratégicos (no Catan 90% da estratégia é definida no posicionamento das primeiras aldeias) e com muito espaço para manobras tácticas interessantes. Não há negociação, o que permite que o jogo também funcione muito bem com 2 jogadores (o tabuleiro escala em função do número de jogadores). Para além disso ainda tem um mecanismo genial (todo o conceito das licenças de construção e a forma como se "combate" com elas). Fiquei muitíssimo bem impressionado com este Elasund e estou ansioso para o jogar com mais gente. É o regresso do Teuber ao seu melhor!

Das Ende des triumvirats

Desta vez jogámos a 3 - que é a única maneira de se jogar isto, tal como a palavra triunvirato no título poderá ter indiciado aos mais perspicazes - e mais uma vez a Marisa nem cheirou... nem jogou! Agora que já conseguimos não perder quando ela não joga, só nos falta o passo seguinte: ganhar quando ela joga. Quanto ao jogo, é um wargame levezinho (para wargame, porque pelos padrões de um eurogame normal, é um jogo de complexidade média/elevada), bastante original e bem pensado. Informação perfeita, sorte reduzida a um mínimo e um motor de jogo muito bem afinado, que obriga os 3 jogadores a andarem constantemente à pancada e a servirem de contrapeso uns aos outros, faz deste um dos jogos mais originais e interessantes que joguei nos últimos tempos. Alguém dizia no BGG, que era uma luta com facas a 3, dentro de uma cabina telefónica. E ainda tem a vantagem de não demorar muito tempo! Os seus grandes defeitos, são também os seus grandes pontos fortes: só dá para 3 jogadores, é um jogo de informação perfeita e é um wargame, apesar de levezinho, o que afasta logo uma fatia considerável dos potenciais jogadores.

Byzantium

Por último o que mais impressionou. É um Martin Wallace vintage, é um jogo complexo de informação perfeita com uma série de mecanismos extremamente originais e, às vezes, assustadores e deixou uma marca indelével nos 4 audazes que ousaram perturbar a paz e a tranquilidade da lendária Byzantium! É um wargame brutal! É um jogo económico brutal disfarçado de wargame brutal! É um jogo de equilíbrios e desiquilíbrios... é um jogo desconcertante! O sucesso foi tanto, que sonhei com o jogo, depois de me deitar. O sucesso foi tanto, que um dos jogadores não resistiu e comprou a sua cópia 2 ou 3 dias depois da nossa sessão incompleta. Há aqui potencial para igualar, ou talvez superar, o estatuto lendário do Age of Steam e do Princes of the Renaissance. Tem de voltar a ser jogado, o mais rápido possível, para confirmarmos esta estrondosa primeira impressão!

O que ainda falta

Para além dos títulos supracitados, ainda há 2 resistentes da última encomenda que ainda não foram estreados: The Prophecy (Proroctví, para vocês que dominam o checo) e Lost Valley (Lost Valley, para vocês que dominam o checo). O primeiro é um jogo de aventuras - supostamente um remake muito melhorado do lendário Talisman - com muito boa fama no BGG, desenhado por um checo e editado por uma empresa do mesmo país. Já lhe dei uma olhadela e parece engraçado, com algumas ideias muito boas. Mas há que tirar isso a limpo o quanto antes, porque este - o jogo de aventuras - é um género com muito potencial e muito mal representado por estas bandas. Quanto ao Lost Valley, é uma grande aposta minha (o Hugo, com a sua proverbial resistência à inovação, torceu logo o nariz quando lhe falei nisto, como seria de esperar). É um jogo de exploração, com um tema muito envolvente, e que, ao mesmo tempo, também é um pick up and deliver relativamente complexo. É o opus major dos seus criadores e, pela leitura das regras, parece interessantíssimo. Gosto particularmente da forma como o tabuleiro se vai revelando/sendo construído pelos jogadores e da condição de fim de jogo, bastante original e temática. Veremos se corresponde às elevadas expectativas, mas estou confiante que sim.

12 comentários:

soledade disse...

Bom post. É sempre bom saber o que os outros andam a tramar, até para ver se aparece alguma coisa que nos interesse.
Esse Himalaya está-me atravessado desde os vossos comentários.
O Teuber sou fã. Do Catan e do Domaine. Gosto muito.
O Byzantium ainda não ganhei coragem. Acho que tenho de passar primeiro pelo Tempus mas, agora que li a tua opinião, acho que o vou atacar...
O Lost Valley é do Costa e está para ver a mesa já faz algum tempo, mas como é um jogo mais light e tal, ainda não calhou. Tem de esperar pelo Mykerinos e pelo Louis XIV. Esses serão os próximos.
Paulo

Cacá disse...

Ontem aqui em casa jogamos uma partida de Elasund com 3 pessoas, e ele é realmente MUITO bom, a idéia da igreja (passando por cima de tudo), as construções, a briga pela colocação de permissões, é realmente Teuber em seu melhor.

É jogo pra figurar entre os favoritos de muita gente... =)

Anónimo disse...

Cá para mim andam a fazer de propósito. É claro que também tenho estantes para limpar, e há programas que gosto de ver na TV, mas marcam sempre a porra dos jogos ao fim-de-semana à tarde que é quando levo o cão mais bonito do mundo ao seu treino semanal de agility! PAGA-SE, por isso não posso faltar. Comecem a marcar as jogatanas para horas mais tardias que vão ver o que vos espera! NHA NHA NHA NHA

Marisa

zorg disse...

Pode ser que neste fim de semana tenhas sorte, mulher infame. A ver vamos... :P

Chirol disse...

Pelo visto é proposital o ho´rario das jogatinas para evitar que a dona da Marisa Inc. jogue.

Mas sim! O Himalaya realmente é melhor com 4 jogadores. Muiiiiiiiiiiiito tenso...

abs

Hugo disse...

Sinto grande curiosidade nesse Byzantium e tb no Elasund.
O Lost Valley não sei, vamos ver, agora ando numa de interacção monumental entre os jogadores. Efeito El Grande.

Obelix disse...

Desses, joguei o Himalaya (e fui um dos trucidados) e o Elasund (levei na tromba e gostei). Ambos são bastante bons, e ainda prometem mais com um número maior de jogadores! Mas a 2 (o Esalund) e a 3 (o Himalya) jogadores, são jogos que funcionaram muitissimo bem!

Chirol disse...

Caro Hugo, por acaso é você que abriu um jogo de Amun-Re no spielbyweb chamado "Tugas no Egipto"?

Sou brasileiro, mas posso entrar?

:)

abs

Hugo disse...

sim claro.
Não fui eu que abri mas a ideia é que o pessoal que costuma vir aos blogues de jogos possa jogar junto.
A password é portugal.
Eu ainda não sei jogar o jogo. Li as regras mas não percebi tudo.

Chirol disse...

Cara, já joguei bastante o Amun-Re, qualquer dúvida me manda um mail!

abs

Obelix disse...

Ontem houve nova sessão e realmente o himalaya e o elasund jogados a quatro são muito bons!!! E desta vez a marisa não nos humilhou!!!!!!!

Costa disse...

..dasse!

Tenho mesmo que ganhar coragem para fazer o test drive a LOST VALLEY. Já o tenho na prateleira a algum tempo e ainda não lhe fizemos o test drive.

Quando li sobre este jogo a primeira vez no BGG fiquei encantado. Um bom tema, um jogo simples e rápido. Pareceu-me muito bem.

Depois quando recebi a caixa e a abri fiquei impressionado com a quantidade de tralha que vem na box. É simplesmente incrível a quantidade de tiles e tilesinhos e tilesões e pecinhas e coisinhas... até irrita... e confesso que me desencorajou um pouco.

Mas será para breve... Prometo!