12 dezembro 2005

Vruuuuuuuum: Fórmula Dé mini

Desde que conheço o Hugo, que temos mantido um relacionamento Mestre/Discipulo. Se a vida fosse o Karate Kid, eu seria o sábio, experiente e sexy mestre Mr. Myagi, enquanto o Hugo seria o jovem, impetuoso, esforçado, mas pouco brilhante estudante de Karate a quem eu mandaria pintar a cerca, encerar o carro, ou apanhar moscas, para que aprendesse os mistérios do karaté. Hmmm, agora que penso nisso, devo dizer que não é só com o Hugo e os jogos de tabuleiro que assumo esta posição de de sabedoria e superioridade, mas pronto, isso são contas de outro rosário.

Ou seja, e no que a jogos de tabuleiro diz respeito, eu assumo o papel do sensei, aquele que tudo sabe e que quase sempre ganha, enquanto o Hugo fica relegado para o papel de jovem obediente e permanentemente maravilhado com a vastidão da inteligência e dos conhecimentos do mestre.

Infelizmente, por mais cercas que eu o mande pintar e por mais vezes que ele me encere o carro, continua com uma dificuldade extrema em perceber porque é que é sempre pisoteado quando jogamos Tigris, ou porque é que não gastar dinheiro para comprar acções no Löwenherz não é uma boa ideia. Enfim, nem todos os discipulos têm a mesma qualidade e, neste caso particular, devo dizer que o Mr. Myagi teve imensa sorte em lhe ter saído o jovem Daniel...

Mas, o que estou a tentar dizer é que, normalmente, eu seleciono os jogos, compro-os e depois permito que o Hugo os jogue para a seguir vir aqui colocar as suas patéticas tentativas de imitar os meus magnificos session reports e as minhas interessantes e acertadas reviews.

Ora, há relativamente pouco tempo, a formiga ganhou catarro e resolveu experimentar um jogo, longe da asa protectora do mestre. Reuniu-se secretamente com meia dúzia de latagões de um dojo rival, que ainda por cima não percebiam absolutamente nada de karaté, e foi jogar Fórmula Dé com eles. Como se isso não fosse suficiente, ainda teve a lata de escrever um post aqui no blog sobre o assunto!

Apesar da fraca qualidade da review me dar vontade de rir, devo confessar que o petiz conseguiu despertar a minha atenção para um jogo que tinha, até aqui, passado completamente despercebido. E, devo confessar, que achei piada a algumas das ideias - nomeadamente a de usar dados com um numero de faces e uma gama de valores diferentes para emular as mudanças de um carro - e reconheci imediatamente um grande potencial para introduzir gamers mais casuais a esta vida dificil.

No entanto, o Fórmula Dé tem um grande problema: a duração!

Se 3 horas não são demais, quando se está entretido a dominar a bacia do mediterrâneo exterminado sem piedade os adversários e deixando os filhos dos seus soldados orfãos, ou a construir um império de transportes ferroviários, levando os rivais à falência e à miséria, deixando os filhos dos seus trabalhadores com fome, a verdade é que quando se está a lançar dados para se fazer uma corrida de carros, 3 horas são claramente um exagero dificilmente aceitável, como qualquer pessoa minimamente atenta imediatamente notará!

Claro que o Hugo não notou, como seria de esperar, mas felizmente os designers do jogo não andam a dormir e, não contentes com isso, resolveram fazer alguma para alterar a situação...e foi assim que nasceu o Fórmula Dé Mini.

Basicamente é uma versão do Fórmula Dé - com o mesmo brilhante mecanismo dos dados a simular mudanças - mas bastante simplificada, principalmente na parte do jogo que não lida directamente com a corrida.

Ou seja, em vez da parafernália de pontos a que é preciso prestar atenção no jogo base (estado dos pneus, estado do motor, estado dos travões, estado da máquina de calcular que é usada para efectuar as 1670 operações aritméticas necessárias a cada jogada, etc), tudo é abstraído para "pontos de vida". São estes pontos que o jogador gasta quando entra demasiado rápido numa curva, quando faz uma redução de caixa demasiado abrupta, quando conduz demasiado próximo de um adversário, etc. Também são estes pontos de vida que, ao acabarem, determinam a eliminação de um carro e que podem ser "recarregados" com uma ida à boxe. Por outro lado, as pistas também são mais pequenas e, tudo isto conjugado, permite que se faça uma corrida com 3 voltas em mais ou menos 1 hora, com 4 jogadores (cada um com 2 carros).

E isto meus amigos, faz toda a diferença!

Passa-se assim de um jogo monstro que, não só demora imenso tempo, como ainda deve reduzir o cérebro dos menos habituados a uma papa fumegante, tal a quantidade de contas que é preciso fazer, por jogada - leia-se, só vais jogar isto com os mais geeks de entre os geeks - para um jogo giro, divertido, que se joga numa horita e, apesar das simplificações, nunca dá a ideia de ser demasiado aleatório. Ainda por cima, com o aspecto "brinquedo" que tem, desperta imediatamente a curiosidade e dá ideia de que nunca vai ser dificil arranjar adversários para o jogar. Aliás, se tenho dúvidas que fosse jogar Fórmula Dé muitas vezes, tenho a certeza que este Fórmula Dé Mini vai sair do saco com muita frequência.

A única desvantagem em relação ao original são as pistas! Se é verdade que há dezenas de pistas adicionais disponíveis para o Fórmula Dé, para esta versão Mini só estão disponíveis as pistas que vêm com o jogo (e são duas). Mas pode ser que sejam publicadas mais algumas, nunca se sabe...

6 comentários:

Hugo disse...

A verdade meu amigo, é que, apesar da panóplia de palavreado sobre a minha pessoa, eu jogo Formula Dé a sério, como fazem os homens e as mulheres marcados pela vida.
Você no entanto, aprecia a versão do jogo menino de coro. Ou seja, com poucas contas e sem a 6ªvelocidade e com apenas uma paragem obrigatória em cada curva. Isso é o mesmo que comparar Formula 1 ao Kart.
O meu amigo se quiser sentir a adrenalina e o cheiro a pneu queimado, venha jogar com quem sabe ao MagicMech na próxima vez que os destemidos se encontrarem para uma jogatana.
Mas digo-lhe já que o melhor é levar um calmante porque é bem capaz de não conseguir aguentar a velocidade.

ricmadeira disse...

É isso aí, Hugo, mostra-lhe como é!!

zorg disse...

Meu amigo, os homens a sério quando têm 3 horas para gastar, não jogam fórmula dé, jogam um jogo para gajos com barba rija, como o age of steam, ou o mare nostrum (ou, se calhar, o die macher)!

Para um jogo que, basicamente é um "push your luck", na minha opinião é demasiado tempo!

Mas quero experimentar 1 vez, pelo menos, quanto mais não seja para confirmar as minhas expectativas. :)

ricmadeira disse...

Vai até ao site http://formulede.online.free.fr jogar um jogo online (é preciso enviar um e-mail para te registares) e vais ver exactamente quanta sorte envolve o jogo (especialmente com as qualificações cronometradas). Ao fim de muitos jogos a ficares consistentemente nos últimos lugares, ficas a saber. ;)

Eu não jogo lá, mas diz a nossa amiga Raquel que o pessoal por lá são todos cromos da bola, quer dizer da roda, e sabem calcular na perfeição qual é a mudança que mais lhes convém para cada jogada, como "comer" o máximo de espaço (se o dado sair mais alto do que te é ideal), como escolher a melhor trajectória para saírem das curvas em alta velocidade já prontos para a próxima, como bloquear trajectórias a quem vem de trás, como gerir as paragens nas boxes e os recursos do carro, etc.

O jogo online não permite jogar com dois carros por jogador, mas em tabuleiro podes ainda fazer jogo de equipa usando, por exemplo. o segundo carro para dificultar a vida ao pessoal enquanto o outro acelera despreocupado para a vitória.

É um jogo com sorte, sim, mas os grandes vencedores são quem trabalha melhor com as probabilidades e quem tira melhor rendimento dos números que lhe saem nos dados. Só outro dia, ao fim de várias semanas de jogos quase diários, é que a Raquel conseguiu obter um "espectacular" segundo lugar, por exemplo!

Ah, já agora, a versão em computador (dá para jogar sem ser online, mesmo que não estejas registado) acelera significativamente o desenrolar jogo porque te mostra exactamente até onde o carro pode ir ou não, por isso talvez queiras experimentar. O pessoal faz corridas ultra-rápidas online e offline... aliás, nas qualificações é suposto dares uma volta inteira à pista em questão de minutos.

zorg disse...

Atenção, só para clarificar: eu não quis sugerir que o Fórmula Dé era um jogo de sorte! Eu disse que é, basicamente, um "push your luck", ou seja, um jogo de gestão de risco, que é diferente. E se calhar nem isso é, porque eu, como é sabido, (ainda) não o joguei. :)

Agora, o que eu acho é que para mim pessoalmente, para a mesma duração prefiro outro tipo de jogos, com outras temáticas e outro tipo de mecanismos. Se calhar, mudo de opinião depois de o jogar...ou não. :P

Hugo disse...

Eu sugiro que o pessoal combine uma corridinha o mais depressa possível para se tirarem as teimas.
Talvez no primeiro sabado de Janeiro em Cascais.